ESTE NADA

Letra: Filipe Santos | Tânia Ribas de Oliveira

Música: Ernesto Leite

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

De tudo o que fomos já só sobra este nada
Vincaste-me a vida, fizemos a estrada
Lembro-me agora do que não vivemos
Já não acredito em ti, porque não acredito em nada

Noites em branco e eu vestido de escuro
Enterro a saudade, quero saltar o muro
Ando à deriva nesta minha cidade
Viciei-me na alegria da tua possibilidade

De tudo o que fomos já só sobra este nada
Fechaste a porta seguiste a tua estrada
De tudo o que fomos já só sobra este nada
Tu já foste tudo em mim
Agora és sombra inacabada

Já não sei quem tu és, nem sei se existes
Tu só estás na memória, só nos sonhos persistes
Sem explicares o porquê, puseste-me na rua
Quantas vezes me disseste: “quero ser p'ra sempre tua”

Nada me prende a ti, tu em mim nada és
Sei seguir o caminho pelos meus próprios pés
Já não ando à deriva nesta minha cidade
Um dia vou encontrar-te, mas só se tiver vontade

Refrão:
Tu deitaste fora a chave, e a porta ficou trancada.

LUNA CAFÉ

Letra: Filipe Santos

Música: Filipe Santos

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

Cada passo que dás resume-se à beleza
Em cada gesto és capaz de me tocar com destreza

É mais forte que nós mostrar indiferença
Dos olhares disfarçados como que uma sentença

Será que é possível olhar-te sem sorrir
Aquela cena na barriga não me deixa dormir

Não vou questionar o que sabemos à partida
Não…digas nada

Já não dá mais p´ra esconder
A vontade de te querer por perto
És a razão que me faz escrever
Cada frase presente deste verso
Como um filme sem guião
Tudo é real sem ficção
Cada um improvisa o seu papel

Não digas nada, deixa seguir
Não digas nada, segue o que estás a sentir
Não digas nada, deixa seguir
Não…digas nada

Já não dá mais p´ra esconder
A vontade de te querer por perto
És a razão que me faz escrever
Cada frase presente deste verso
Como um filme sem guião
Tudo é real sem ficção
Cada um improvisa o seu papel

Não digas nada, deixa seguir
Não digas nada, segue o que estás a sentir
Não digas nada, deixa seguir
Não…digas nada

DISSO NÃO!

Letra: Filipe Santos

Música: Filipe Santos

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

Desço a calçada
Subo ao La Luna
Encosto-me ao balcão
Peço um café

Tomo rumo na estrada
Norte ou Sul
O local para onde vou
Só Deus sabe onde é
Só Deus sabe onde é

Perguntaste se fumava
Disse não!
Perguntaste de bebia
Disse não!
Perguntaste se correu bem o dia
Disse não!

Perguntaste se chorava
Disse não!
Perguntaste se comia
Disse não!
Perguntaste se queria
Disso não!

REF:

Perguntei-me se queria
Disso não!
Questionei-me se devia
Disso não!
Ás vezes bem que apetecia
Disso não!

REF:
E eu disse não... disso não!

S.O.S. POLÍCIA

Letra: Filipe Santos

Música: Filipe Santos

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

Sábado à noite a lua está de volta
e anuncia o final do dia
Tens uma festa ao lado da porta
e sai uns jarros de sangria

A noite ainda é uma criança
sais de carro e não a pé
Percorres a distância dê lá por onde der

Mas atenção …S.O.S. Polícia
Atenção … aos bófias do balão

Entroncamento à Barquinha pela nacional 3
Vais com a malta beber um abafado ao bar do Quim o 21

O carro já não tem seguro
nem sequer a inspecção
Já não estás muito puro
tens que fugir ao balão

Mas atenção … S.O.S. Polícia
Atenção … aos bófias do balão

Vais ao Rio bar em Tomar
por estradas secundárias
Com os shot´s a cabeça fica a rodar
Não controlas os focas nessa área

Com o sol já de volta
sai a rodada para terminar
Se és apanhado pela operação
Só com o bafo rebentas o balão

Mas atenção …S.O.S. Polícia
Atenção … aos bófias do balão

Não é a bebida que cai mal
Se fores apanhado, levam-te o ordenado
Não é a bebida que cai mal
Se não parares vais dormir na prisão
E és criminoso,
e és criminoso.

NÃO ME DEIXES POR AÍ

Letra: Filipe Santos

Música: Ernesto Leite

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

Sozinho subo a rua calcetada,
São 6 da madrugada, penso em ti!

Tenho o teu cheiro entranhado no corpo
O sabor dos teus lábios nos meus, mil desejos!

É tão bom dormirmos lado a lado
E cometermos o pecado de sermos um só

Não, não me deixes por ai
Nada faz sentido sem ti
Nós somos um só
Não, não me deixes por ai
Nada faz sentido sem ti
Nós somos um só

Sem ti passo as noites em branco
As horas custam mais a passar, fica frio!

Sinto a falta daquele teu abraço
Contigo o tempo deixa de existir, onde estás?

Não, não me deixes por ai
Nada faz sentido sem ti
Nós somos um só
Não, não me deixes por ai
Nada faz sentido sem ti
Nós somos um só

Fado da vida

Letra: Filipe Santos

Música: Filipe Santos

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

O fado desta vida,
Por vezes prega-nos partidas
Às quais não temos respostas definidas.

Tudo o que resta é seguir,
olhar em frente e não p´ra trás,
assim como fizeste,
sem sequer dizeres um adeus…

Só queria morrer hoje,
Nos teus braços…só…mais esta noite
Só queria poder sentir-te,
Uma última vez…esta noite.

Não sei qual a razão,
Que te levou a partir… p´ra bem longe de mim
Só quero que saibas que eu,
Estou de braços abertos, p´ra te receber.

O fado da vida é assim,
Bom e por vezes mau,
Com princípio, meio e fim.

Só peço que me ligues uma vez,
P´ra dizeres um olá e que está tudo bem,
Onde quer que tu estejas.

Só peço que tu te lembres de tudo,
O que passámos e construímos,
Os dois juntos.

Só queria morrer hoje,
Nos teus braços…só…mais esta noite
Só queria poder sentir-te,
Uma última vez…esta noite.

CANÇÃO DE ENGATE

Letra: António Variações

Música: António Variações

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

Tu estás livre e eu estou livre
E há uma noite p'ra passar
Porque não vamos unidos
Porque não vamos ficar
Na aventura dos sentidos

Tu estás só e eu mais só estou
Tu tens o meu olhar
Tens a minha mão aberta
À espera de se fechar
Nessa tua mão deserta

Vem que o amor não é o tempo
Nem é o tempo que o faz
Vem que o amor é o momento
Em que eu me dou
Em que te dás

Tu que buscas companhia
E eu que busco quem quiser
Ser o fim desta energia
Ser um corpo de prazer
Ser o fim de mais um dia

Tu continuas à espera
Do melhor que já não vem
A esperança foi encontrada
Antes de ti por alguém
E eu sou melhor que nada

Vem que o amor não é o tempo

Nem é o tempo que o faz

Vem que o amor é o momento

Em que eu me dou

Em que te dás

POR TUDO O QUE ÉS

Letra: Filipe Santos | Tânia Ribas de Oliveira

Música: Ernesto Leite

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

Já não sei o que hei-de pensar
Quando parto p’ra qualquer lugar do Mundo
A estrada que sigo
Não mata a saudade que teima em magoar
Tu és tudo o que sempre sonhei
És tudo o que quero e sempre desejei
E é na distância
Que a proximidade mais dói

Por tudo o que tu és
Vou de lés a lés
Só para te ter perto de mim
Por tudo o que tu és
Vou de lés a lés
Contigo eu vou ficar até ao fim

E é na estrada que vou continuar
Qualquer que seja o caminho
A que a vida me levar
És tu o destino, onde quero sempre regressar

Por tudo o que tu és
Vou de lés a lés
Só para te ter perto de mim
Por tudo o que tu és
Vou de lés a lés
Contigo eu vou ficar até ao fim

Por tudo o que tu és
Vou de lés a lés
Só para te ter perto de mim
Por tudo o que tu és
Vou de lés a lés
Contigo eu vou ficar até ao fim

Gosto da vida contigo
Gosto assim... De gostar de ti
E gosto mais de mim...
Por te sentir... aqui... dentro de mim
Aqui... dentro de mim

Por tudo o que tu és
Vou de lés a lés
Só para te ter perto de mim
Por tudo o que tu és
Vou de lés a lés
Contigo eu vou ficar até ao fim

Por tudo o que tu és
Vou de lés a lés
Contigo eu vou ficar até ao fim
O meu mundo
Tu és... o meu mundo
Por tudo o que és.

KK KOISA

Letra: Filipe Santos

Música: Filipe Santos

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

A minha alma chora
E rebenta de alegrias
Sentimentos que se cruzam
Que se contradizem nestes últimos dias

Se é verdade que nascemos para morrer
Uma multa pesada de pagar
Porque temos também de sofrer para amar?

Kk coisa chamo por ti
O que sinto é tão forte
Que me dói o peito ao pensar
O tão perto, que é tão longe
A distância que estás de mim
Tu não estás aqui…perto de mim
Há algo em mim…que chama por ti.

DÁ-ME MAIS

Letra: Filipe Santos

Música: Filipe Santos

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

Dá-me mais
Um pouco do teu fogo
Que a noite ainda agora começou

Dá-me mais
Um pouco de ti
Não quero que digas que foi outra noite que passou

Devagar apagam-se as palavras
Gargalhadas que quebram a razão
Do lado de lá da realidade
Escreve-se a magia da paixão

Sem tabus, sem preconceitos
Tu e eu, iluminados por gestos

Dá-me mais um pouco do teu corpo nu
No ponto alto do teu mais puro íntimo

Tu foste feita no céu dos mundos
Tu foste feita no céu dos mundos
Tu foste feita no céu dos mundos
Tu foste feita no céu dos mundos

Dá-me mais um pouco de ti
E eu dou-te mais um pouco de mim

OLHOS NOS OLHOS

Letra: Filipe Santos

Música: Filipe Santos

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

Sozinho aqui estou a pensar nesta vida,
Perdido eu não estou, não quero outra saída.
Só no sufoco que a solidão me traz,
Preciso de um motivo, diz-me: onde estás?

Chegas do escuro onde não te procurei,
Nem penso no futuro, só em ti me inspirei.
Passo pelo mar e não vejo ninguém,
Perdi-me num olhar, não sei bem de quem.

Liberto esta amargura que me entristeceu,
Percorro a nossa loucura e assim sou eu!

Olhos nos olhos,
Lábios nos lábios
Que fazem ferver o sangue
Dos loucos corpos unidos num só

Esse fogo que é só nosso,
Esse fogo que nos consome,
Essa chama que queima, queima… sem se ver.

Esta loucura em segredo,
Um segredo que é só nosso,
Onde nada de nada… se pede em troca.

Olhos nos olhos,
Lábios nos lábios
Que fazem ferver o sangue
Dos loucos corpos unidos num só

Olhos nos olhos, lábios nos lábios

lisboa pessoa, lisboa cidade

Letra: Filipe Santos

Música: Filipe Santos

Acústico Filipe Santos_CAPA.jpg

Desce o pano sobre o palco da Lisboa que não dorme
Vai-se o dia que dá lugar à noite desenfreada,
que me devora.

Tudo tem a mesma cor fica tudo a descoberto
Oh Lisboa!
Por entre ruas e vielas vagueio sozinho,
por entre a multidão

Deixo-me ir,
nos teus braços que me guiam e me ajudam a me encontrar

Oh Lisboa diz-me lá se eu,
Algum dia me vou encontrar
nas loucas noites de insónias sem dormir

Oh Lisboa diz-me lá se eu,
Algum dia me vou encontrar
nas loucas noites de insónias sem dormir